Leis insensatas

PARIS – “Se a lei supõe isso”, diz o Sr. Bumble em Oliver Twist, “a lei é ridícula – idiota”. Durante décadas, as leis da difamação da Grã-Bretanha viveram abaixo das expectativas do Sr. Bumble. Mas a liberdade de expressão em todo o mundo recebeu um impulso - e a reputação da Grã-Bretanha para o senso comum, restabeleceu-se um pouco – em Abril, quando o Parlamento adoptou uma lei que muda as leis da difamação do país.

Anteriormente, as empresas e os particulares de todo o mundo, que alegavam terem sido difamados - mesmo que os demandantes ou aqueles que supostamente os difamaram tivessem pouca ou nenhuma ligação com o Reino Unido - apresentavam processos por difamação nos tribunais britânicos. A prática era amplamente conhecida como “turismo da difamação”.

Muitos dos demandantes que intentavam tais acções judiciais - oligarcas russos e ucranianos, príncipes árabes, ditadores africanos e patrões sem escrúpulos - tinham poucas hipóteses de ganhar. Mas o objetivo não era ganhar. Muitas vezes, os seus alvos tinham muito menos recursos, o que significava que um processo por difamação que exigia o gasto de montantes elevados por ambas as partes, poderia ser eficaz para silenciar os críticos, mesmo que o processo não resultasse. No Reino Unido, a lei significava que muitas questões importantes não poderiam ser plenamente debatidas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/oq6ryhL/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.