Um Novo Acordo para os Estados frágeis

PARIS – Hoje, cerca de um quarto da população do mundo vive em Estados frágeis e afectados pelo conflito. Apesar das vastas somas de dinheiro gasto a ajudar esses Estados ao longo dos últimos 50 anos, os conflitos armados e a violência continuam a assolar a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Os parceiros internacionais e nacionais devem mudar radicalmente o modo como intervêm nesses Estados.

Vivenciei em primeira mão, a necessidade de uma nova abordagem, em 2004, no Sri Lanka. Nos dois primeiros meses após o tsunami devastador que atingiu o país, em Dezembro desse ano, cerca de 50 chefes de Estado e ministros estrangeiros visitaram a ilha. Cada um chegava com os seus próprios programas, as suas próprias organizações da sociedade civil e suas próprias equipas de televisão. Poucos chegavam com um profundo conhecimento da dinâmica do conflito político entre os militantes tamil e o estado do Sri Lanka. Foram cometidos enormes erros, alimentando ainda mais a violência.

O nosso maior desafio actual é afastarmo-nos do modelo de parceria que está em acordo com as prioridades, as políticas e as necessidades de financiamento determinadas nas capitais dos doadores e nas sedes dos parceiros de desenvolvimento. Os Estados afectados pelo conflito precisam de ter capacidade de determinarem os seus próprios destinos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/H2xY57p/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.