Robustecendo o poder brando do Brasil

BRASÍLIA – Que o Brasil é e sempre será um país pacífico é, para qualquer brasileiro, uma verdade axiomática. Afinal, o Brasil tem vivido em paz com os seus dez vizinhos há quase 150 anos, tendo delimitado as suas fronteiras de forma negociada. A última vez que entrou em guerra foi em 1942, após agressão direta por submarinos nazistas no Atlântico Sul. O Brasil renunciou às armas nucleares, tendo assinado um acordo abrangente de salvaguardas nucleares com a Argentina e com a Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA). Por meio do Mercado Comum do Sul (Mercosul) e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), o Brasil contribui para a integração política, econômica, social e cultural da região.

Bastará, contudo, o poder brando a um dos maiores países emergentes do mundo?

Não há dúvida de que a política externa pacífica atende aos interesses do Brasil. O país tem se valido de sua estatura para promover a paz e a cooperação na América do Sul e no mundo. Sua atitude construtiva deriva de uma visão de mundo fundamentada nos valores da democracia, da justiça social, do desenvolvimento econômico e da proteção ambiental.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/w7uhXxh/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.