Desigualdade num horizonte de dificuldades

BERKELEY – Devido a uma qualquer medida económica, estamos agora a viver tempos de decepção. Nos Estados Unidos, 7,2% da força laboral normal está, actualmente, parada, enquanto o fosso do emprego na Europa está a aumentar e espera-se que ultrapasse o dos EUA, no final do ano. Por isso, é importante dar um passo atrás e lembrarmo-nos de que a “década perdida” que estamos a sofrer nos nossos dias não é o nosso destino económico a longo prazo.

Paul Krugman recordou-nos isso recentemente, mas talvez John Maynard Keynes o tenha dito de forma mais elucidativa:

“Isto é um pesadelo, que passará com a chegada da manhã. Uma vez que os recursos da natureza e os dispositivos dos homens são tão férteis e produtivos como eram. A velocidade do nosso progresso para resolver os problemas materiais da vida não é menos rápida. Somos tão capazes, como no passado, de proporcionar a todos um elevado nível de vida - por elevado, quero dizer em comparação com, digamos, o de há 20 anos - e aprenderemos brevemente a alcançar um nível ainda mais elevado. Antes, não tínhamos sido enganados. Mas hoje, vemo-nos envolvidos numa confusão colossal, fizemos asneira no controlo de uma máquina delicada, cujo funcionamento não compreendemos. O resultado é que as nossas possibilidades de riqueza podem ser desperdiçadas durante algum tempo”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/AXmLRuW/pt;