Tuesday, September 2, 2014
5

A França está sozinha?

PARIS – Em menos de dois anos, a França levou a cabo três intervenções militares decisivas no estrangeiro. Em Março de 2011, os seus ataques aéreos na Líbia (juntamente com os da Grã-Bretanha) atravessaram-se no caminho das tropas do coronel Muammar Khadafi, quando se preparavam para voltar a tomar a cidade de Benghazi. Um mês depois, as forças francesas na Costa do Marfim prenderam o Presidente Laurent Gbagbo, que se recusou a reconhecer a vitória eleitoral do seu adversário, colocando o país em risco de uma guerra civil. Agora a França interveio no Mali.

A última intervenção foi inicialmente planeada como parte de uma missão europeia para apoiar as forças africanas, mas a França decidiu, abruptamente, agir unilateralmente para atenuar o avanço dos islamistas que ameaçavam invadir Mopti, o último obstáculo antes de alcançarem a capital, Bamako. Para além desse objectivo, a França procura proteger os muitos franceses que se encontram na região; manter a estabilidade no Sahel, onde os estados são muito fracos; e impedir que o Mali se transforme numa base do terrorismo islâmico dirigido à Europa.

Há muita coisa em jogo - tanto mais porque a intervenção francesa é susceptível de ser extensa. Embora os islamistas estejam temporariamente derrotados, eles estão bem armados e recebem suprimentos da Líbia, através da Argélia, que tem contido os islamistas internamente mas parece fechar os olhos à sua circulação pelo seu território. Além disso, as capacidades do exército maliano e de outros países da África Ocidental, que era suposto juntarem-se à operação, são muito fracas para inverter a maré. Os Estados Unidos tentaram treinar o exército do Mali, mas falharam miseravelmente.

Assim, com a segurança da Europa, como um todo, em jogo, por que é que a França é o único país envolvido?

Uma explicação é ver a intervenção como uma tentativa neo-colonial para proteger a ex-colónia francesa. Isto é um erro tremendo. A França não tem interesse em proteger um regime maliano que sabe que é corrupto e incompetente; na verdade, a França recusou recentemente apoiar um pedido de ajuda do regime do Presidente François Bozizé na vizinha República CentroAfricana, contra os rebeldes.

As motivações de França são mais vastas. Especificamente, a França sempre considerou a África subsariana e o mundo árabe como esferas naturais de influência política e estratégica que são necessárias para manter a sua posição como uma potência mundial.

A segunda explicação é mais credível: A França, com excepção da Grã-Bretanha, é verdadeiramente a única potência militar da Europa. Acredita que a capacidade militar operacional é uma condição de poder – uma visão que não é partilhada pela esmagadora maioria dos Estados europeus, que continuam a exibir uma aversão colectiva à guerra.

É certo que a Europa tem os meios para uma acção conjunta. Em 2003, após o início da Guerra do Iraque, a Europa adoptou uma estratégia preparada por Javier Solana, o Alto Representante para a Política Externa e de Segurança Comum, nessa altura. Mas, embora um grande número de europeus acreditasse ingenuamente que este era o prelúdio para uma estratégia europeia comum, a verdade é que a proposta foi elaborada nuns termos que eram tão vagos que não permitiam quase nenhum resultado – ou mesmo algum.

O Tratado de Lisboa da UE menciona uma “cooperação estruturada permanente” na política de segurança e de defesa; e todo um aparato institucional de comités políticos e militares existe para antecipar, preparar e implementar operações militares a nível europeu. Mas a este mecanismo falta a vontade política comum que é necessária para activá-lo; quanto menos for utilizado, menos utilizável se tornará.

Durante a crise na Líbia, a sucessora de Solana, Catherine Ashton, procurou limitar deliberadamente o papel da UE ao de uma super ONG, focada na ajuda humanitária e no desenvolvimento económico. Recentemente, durante a votação para a representação palestina nas Nações Unidas, a UE apelou aos seus membros para se absterem - uma forma estranha de afirmar o compromisso da Europa com a liderança mundial.

Para a Grã-Bretanha, a defesa à escala europeia está destinada ao fracasso. A Grã-Bretanha só se desviou deste princípio uma vez, quando concordou em participar na missão anti-pirataria “Operação Atalanta” ao largo do Corno de África - provavelmente porque foi colocada no comando. Como resultado, aqueles que querem uma capacidade de defesa europeia comum não dispõem de meios para a criar, ao passo que aqueles que têm os meios para a criar não a querem (com a possível excepção de França).

A cooperação bilateral da Grã-Bretanha com a França - com o seu ponto alto durante a crise na Líbia - às vezes é muito forte. Mas, apesar do Tratado de Cooperação em Defesa e Segurança assinado em 2010, entre os dois países, os britânicos decidiram, por razões orçamentais, adquirir aeronaves que não serão compatíveis com os porta-aviões franceses.

Até mesmo a Espanha e a Itália, os dois países mais afectados pelos novos acontecimentos no Mediterrâneo e no Sahel, reduziram significativamente as suas despesas militares. Ao contrário da Alemanha, ambos participaram na intervenção na Líbia, mas com regras de combate extremamente limitadas para as suas forças. Por exemplo, as forças navais italianas foram instruídas a evitar as águas ao largo da Costa de Trípoli e os aviões-tanque espanhóis foram proibidos de reabastecer jactos de combate.

A Europa, como um todo, reserva actualmente apenas 1,6% do seu PIB para a defesa, contra os 4,8% dos EUA. É a única região do mundo onde os gastos militares estão a diminuir. As suas forças destacadas são extremamente pequenas, contribuindo em 4% para o total de todos os militares do mundo, contra 14% dos EUA. A cooperação industrial, que poderá constituir uma mais-valia económica e militar, também está a enfraquecer, como ficou demonstrado pela oposição bem-sucedida da Alemanha à fusão EADS/BAE  proposta, que foi cancelada oficialmente em Outubro.

A Alemanha parecia estar a embarcar numa política mais robusta desde a sua participação em operações militares no Afeganistão. Agora, porém, recua perante qualquer perspectiva de intervenção militar, mesmo continuando a ser o terceiro maior exportador de armas do mundo.

A Europa está relutante em desenvolver uma força militar de peso, porque o projecto europeu foi criado em oposição à ideia de poder. No entanto, esta posição tornou-se insustentável. A Europa enfrenta ameaças reais, as quais a França não pode controlar sozinha. Além disso, o sistema internacional está a coligar-se cada vez mais em torno das autoridades nacionais que consideram a força militar como sendo um pré-requisito essencial de influência. A Europa não enfrenta uma escolha entre o poder suave (soft power) e o poder duro (hard power). Ela deve combinar as duas, se quiser sobreviver.

Tradução: Deolinda Esteves

Hide Comments Hide Comments Read Comments (5)

Please login or register to post a comment

  1. CommentedStéphane Mader

    Mr. Laïdi does not mention the fact that Europe has been depending on NATO since the end of the world war, taking somewhat a free ride on defense

  2. CommentedFaruk Timuroglu

    Mr. Laïdi should’ve started talking about France’s “decisive foreign military interventions” in Africa from its role in Rwandan genocide in 1994. France, as the sole military super power of continental Europe, has been trying to herd Europe to re-colonize of Africa and its aggressiveness have been condoned by UN and NATO if not collaborated. Perhaps Mr. Hollande is in envy of Mr. G. W. Bush as war president.

  3. CommentedPaulo Sérgio

    For some Africans, the French arrest of President Laurent Gbagbo did strike a raw nerve, as did the Libyan intervention.

  4. CommentedFrank O'Callaghan

    Why no mention of the crucial French concern? The Touareg lands have Uranium. A free Touareg homeland would threaten French control of the minerals of Niger.

  5. CommentedShane Beck

    All of Europe has an interest in the stability and development of North Africa- the number one problem for Europe is population movements from North Africa to Europe. This plays out in domestic politics of places like Greece, Italy, Spain and to a lesser extent France and Germany

Featured