Thursday, April 24, 2014
Exit from comment view mode. Click to hide this space
0

Ato de equilíbrio da Turquia

East Lansing, Michigan - A Turquia tornou-se, ao longo das últimas semanas, a ponta de lança de uma política ocidental-árabe-turca conjunta que visa forçar o presidente Bashar al-Assad a ceder o poder na Síria. Isto é uma grande reviravolta na política turca porque, nos últimos dois anos, o governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdoğan desviou-se do seu caminho para cultivar boas relações com a vizinha Síria, com quem compartilha uma extensa fronteira terrestre.

Esta mudança de rumo na Síria também teve um custo para a Turquia em termos das suas relações com o Irão, o principal defensor do regime de Assad, que a Turquia tinha também cultivado como parte da política “zero problemas com os vizinhos” do ministro das Relações Exteriores Ahmet Davutoglu.

Dadas estas novas tensões, vale a pena relembrar que há apenas alguns meses, muitos líderes americanos estavam furiosos com o que consideravam ser a traição da Turquia. No seu entender, a Turquia tinha reorientado a sua política externa para o Médio Oriente muçulmano e afastado do Ocidente - uma mudança de posição que supostamente se reflete na deterioração das relações do país com Israel e no reforço dos laços com o Irão e a Síria.

Muitos políticos e jornalistas americanos, incapazes ou sem vontade de distinguirem as relações turco israelitas das relações turco americanas, interpretaram a condenação de Erdoğan ao bloqueio de Israel a Gaza como uma tentativa de agradar aos seus vizinhos árabes, em detrimento das relações da Turquia não apenas com Israel mas com o Ocidente em geral. A tentativa da Turquia em servir como mediador entre as principais potências ocidentais e o Irão, no que diz respeito à reserva de urânio da República Islâmica, foi pouco valorizada no Ocidente, na verdade, os Estados Unidos destruíram o esforço, precisamente na altura em que parecia começar a dar frutos. E o voto subsequente da Turquia no Conselho de Segurança das Nações Unidas contra a imposição de sanções adicionais ao Irão parecia oferecer mais uma prova de que a Turquia tinha adotado uma política externa “islâmica”.

A ansiedade dos Estados Unidos assumiu que é uma contradição, para a Turquia, procurar boas relações com o Ocidente e com o Médio Oriente muçulmano e que a decisão de Ancara para melhorar as suas relações com os vizinhos muçulmanos foi motivada, principalmente, por preocupações religiosas e ideológicas consideradas importantes pelo Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), atualmente no poder. As recentes relações tensas entre a Turquia e o Irão demonstram esta pressuposta falácia básica e apontam para uma política externa não-ideológica que atende os interesses nacionais turcos, conforme definidos pela elite política do país - incluindo os pós-islamistas que estão hoje no poder.

A divergência entre a Turquia e o Irão [estava] inicialmente centrada nas suas abordagens contraditórias à rebelião interna contra a ditadura de Assad. O Irão investiu fortemente no regime de Assad, o seu solitário aliado árabe e principal via para a distribuição de apoio material a Hezbollah no Líbano. A Turquia, por outro lado, depois de alguma hesitação inicial, decidiu apoiar totalmenteos opositores de Assad, nomeadamente facultando refúgio tanto a eles como aos desertores do exército da Síria. Na verdade, a Turquia tem ido mais longe, ao ajudar a oposição síria dividida a unir-se no seu território, para estabelecer uma frente comum contra o regime de Assad e fornecer uma alternativa credível.

A Turquia alterou abruptamente a sua posição em relação à Síria e alinhou a sua posição com as principais potências ocidentais, por duas razões. Primeira, o Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), atualmente no poder, não se pode dar ao luxo de ser visto como opositor à democracia na Síria, uma vez que sua própria legitimidade depende muito da sua credibilidade democrática. Segunda, uma vez que o governo de Erdoğan concluiu que o regime de Assad estava prestes a cair, pretendeu assegurar os seus futuros interesses na Síria, que são de importância estratégica para a Turquia - mesmo que o preço a pagar seja pôr em risco as relações com o Irão.

O descontentamento do Irão face à “traição” da Turquia a Assad foi agravado pela recente decisão do governo de Erdoğan em instalar radares do sistema antimíssil da NATO - destinados a monitorizar a atividade de mísseis iranianos - em Malatya, no leste da Turquia. De acordo com autoridades iranianas, o sistema da NATO visa neutralizar a capacidade de dissuasão num face a face com Israel, aumentando assim a probabilidade de um ataque israelita ou norte-americano contra instalações nucleares iranianas. As autoridades iranianas chegaram ao ponto de alertar a Turquia de que iriam fazer da instalação em Malatya o seu primeiro alvo, como forma de retaliação por um ataque ocidental ao Irão.

Na realidade, Israel pode controlar a atividade de mísseis iranianos de vários lugares para além de Malatya. A ameaça do Irão é, portanto, mais uma expressão de descontentamento com a Turquia do que uma preocupação genuína perante o facto de que a instalação de Malatya afetará negativamente a sua capacidade de dissuasão.

As tensões turco iranianas refletem três grandes realidades. Primeira, a Primavera Árabe e sobretudo a revolta síria revelaram as rivalidades ocultas, dos dois lados, para a influência no Médio Oriente e no mundo árabe. Segunda, a viragem da Turquia para o leste não tem inspiração ideológica ou religiosa, mas é, em vez disso, baseada numa sólida estratégia e em cálculos económicos; enquanto a situação fluida no Médio Oriente continuar a desenvolver-se, a Turquia adaptará as suas políticas em conformidade. Finalmente, a Turquia tem investido demasiado nas suas relações estratégicas com a NATO e com os EUA em particular, para as desperdiçar em troca de ganhos incertos nas relações com o Irão.

Isto não significa que a Turquia retornará à sua tradicional dependência estratégica com os EUA e os seus aliados, uma abordagem que definiu a política externa turca durante a Guerra Fria e na década seguinte. O governo do AKP está comprometido com a autonomia estratégica do país e com o grandioso ativismo no Médio Oriente. Mas também está consciente de que tais políticas não devem custar a relação da Turquia com a NATO e com os EUA.

A Turquia está envolvida num intrincado esforço para preservar a sua antiga relação com o Ocidente, ao mesmo tempo que constrói novos laços com os seus vizinhos muçulmanos. Os líderes da Turquia entendem que o país pode preservar melhor e reforçar a sua influência com os dois lados, ao manter boas relações com ambos.

Exit from comment view mode. Click to hide this space
Hide Comments Hide Comments Read Comments (0)

Please login or register to post a comment

Featured