11

Os custos económicos do medo

BERKELEY - O índice das acções da S&P gera atualmente um retorno real de 7% (ajustado pela inflação). Em contraste, a taxa de juro efectiva anual sobre as obrigações a cinco anos Treasury Inflation-Protected Securities (TIPS) é de -1,02%. Sim, há um sinal de “menos” antes: se comprar as TIPS a cinco anos, o Tesouro dos EUA pagar-lhe-á os juros à taxa de inflação do consumidor, menos 1,02% por ano, nos próximos cinco anos. Mesmo a taxa de juro efectiva anual sobre as TIPS a 30 anos é de apenas 0,63% - e você corre um grande risco de o seu valor cair em algum momento durante a próxima geração, o que implica uma grande perda caso precise de as vender antes da data do seu vencimento.

Então, imagine que investe 10 mil dólares no índice S&P. Este ano, a sua parte nos lucros obtidos por essas empresas será de 700 dólares. Agora, imagine que, desse total, as empresas pagam 250 dólares em dividendos (os quais você reinveste para comprar mais acções) e retém 450 dólares em lucros para reinvestir nos seus negócios. Se os gestores das empresas fizerem o seu trabalho, esse reinvestimento aumentará o valor das suas acções para 10.450 dólares. Acrescente a isso os 250 dólares das novas acções e no próximo ano o portefólio valerá 10.700 dólares - mais, se as valorizações nos mercados accionistas subirem e menos, se caírem.

Na verdade, em relação a qualquer período passado, longo o suficiente para que ondas de optimismo e de pessimismo se anulassem mutuamente, os ganhos de rendimento médio no índice S&P têm sido um bom guia para o retorno da carteira. Então, se investir 10 mil dólares na S&P para os próximos cinco anos, pode razoavelmente esperar (com elevados riscos ascendentes e descendentes) fazer cerca de 7% ao ano, ficando com um lucro composto, ajustado pela inflação de 4.191 dólares. Se investir 10 mil dólares nas TIPS a cinco anos, pode esperar com confiança uma perda de cinco anos de 510 dólares.

Essa é uma diferença extraordinária nos retornos que você pode razoavelmente esperar. Isso, naturalmente, levanta a questão: por que é que as pessoas não estão a movimentar o seu dinheiro das TIPS (e dos títulos do Tesouro norte-americano e outros activos seguros) para acções (e outros activos de risco relativamente elevado)?

As pessoas têm diferentes razões. E o pensamento de muitas pessoas não é muito coerente. Mas parece haver duas explicações principais.

Primeira, muitas pessoas não têm a certeza de que as condições actuais se manterão. A maioria dos economistas prevê que o mundo, daqui a um ano, será muito semelhante ao mundo de hoje, com as taxas de desemprego e as margens de lucro praticamente na mesma, com a média dos salários e dos preços cerca de 1,5% mais elevada, com um aumento na produção total de praticamente 2% e com riscos, tanto ascendentes como descendentes. Mas muitos investidores vêem uma grande possibilidade dos anos 2008 e 2009 regressarem, seja ela originada por uma verdadeira crise do euro ou por algum cisne negro, que nós ainda não vemos, e temem que, ao contrário de 2008 e 2009, os governos não tenham o poder e a vontade de amortecerem o impacto económico.

Estes investidores não vêem o retorno anual de 7% em acções como uma expectativa média, com riscos descendentes contrabalançados por oportunidades ascendentes. Em vez disso, eles vêem um bom cenário de resultados no qual só alguém imprudente confiaria.

A segunda razão é que muitas pessoas vêem o retorno dos 7% nas acções, como uma expectativa razoável e aproveitariam a oportunidade para a agarrar – mais a oportunidade das boas surpresas – mas não pensam que podem dar-se ao luxo de correr riscos descendentes. Na verdade, o mundo parece um lugar muito mais arriscado do que parecia há cinco ou dez anos. O fardo das dívidas existentes é alto e o principal objectivo dos investidores é evitar perdas, não procurar lucros.

Ambas as razões reflectem uma falha enorme das nossas instituições económicas. A primeira razão denota uma falta de confiança de que os governos podem e farão o trabalho que aprenderam a fazer na Grande Depressão: manter o fluxo das despesas estáveis para que as grandes depressões de longa duração e as taxas de desemprego com dois dígitos não se repitam. A segunda revela a incapacidade da indústria financeira de mobilizar adequadamente a capacidade de assunção de risco da sociedade, para o serviço do espírito empreendedor.

Como indivíduos, parece que vemos um risco que tem aproximadamente 50% de possibilidades de duplicar a nossa riqueza e aproximadamente 50% de possibilidades de a reduzir para metade, como sendo digno de consideração – não algo simples, mas tampouco que esteja fora de questão. O bom funcionamento dos mercados financeiros iria mobilizar essa capacidade de risco e utilizá-la em benefício de todos, para que as pessoas que não acham que poderiam correr os riscos de propriedade das acções pudessem diluir esse risco para os outros, por uma taxa razoável.

Como economista, considero esta situação frustrante. Nós sabemos, ou pelo menos deveríamos saber, como construir instituições políticas que aceitem a missão da estabilização macroeconómica e como construir instituições financeiras que mobilizem a capacidade de assunção de risco e espalhem o risco. Todavia, a um nível surpreendente, não conseguimos fazê-lo.

Tradução: Deolinda Esteves